Untitled Document
CONSULTÓRIOS

Avenida das Américas, 3500, bloco 6
Condomínio Le Monde, sala 401,
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22640-102
(21) 3435-8592 / 3435-8597
Cel.: (21) 99566-5547

Avenida das Américas, 3500, bloco 4
Condomínio Le Monde, sala 107,
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22640-102
(21) 3042-9525 / 3042-9526
Cel.: (21) 99566-5558
contato@draanabeatriz.com.br
abcomport@gmail.com

Transtornos

Autoria: Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva.

* Dra Ana Beatriz Barbosa Silva (Médica Psiquiatra, CRM/RJ 5253226/7)

O que é transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)?

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) trata-se de uma doença que a pessoa se torna vítima de pensamentos e comportamentos repetitivos, que não tem sentido, são desagradáveis e muito difíceis de evitar.

Exemplos:

  • Perturbada por pensamentos repetitivos de que pode ter se contaminado ao tocar maçanetas e outros objetos “sujos”, uma adolescente passa a lavar as mãos várias vezes ao dia. Suas mãos ficam vermelhas e irritadas e sobra pouco tempo para suas atividades sociais;
  • Um homem de meia-idade é atormentado pela ideia de que pode ferir outras pessoas por negligência. Não consegue sair de casa sem antes passar por um longo ritual de verificação de que os bicos de gás do fogão e as torneiras estão fechadas;
  • Várias vezes ao dia uma jovem mãe é dominada pelo terrível pensamento de que vai agredir seu filho. Embora se esforce muito, não consegue se livrar dessa ideia dolorosa e preocupante. Por mais que ela saiba que tais pensamentos sejam absurdos, ela se recusa a tocar em facas de cozinha e outros utensílios pontiagudos, por temer utilizá-los como armas.

O TOC pode comprometer seriamente os setores vitais do portador: vida familiar, afetiva, social, acadêmica e/ou profissional. Por isso, é importante conhecer mais sobre essa doença e os tratamentos que estão disponíveis no momento.

 

O TOC é comum?

Este transtorno afeta cerca de 2,5% da população geral, o que significa que o TOC é mais comum do que a Esquizofrenia e outras doenças mentais graves.

No entanto, acredita-se que este percentual seja maior, pois muitos portadores de TOC, por vergonha e na tentativa de esconder seus pensamentos e comportamentos repetitivos, não procuram ajuda médica. Este fato leva os médicos a subestimarem o número de pessoas com esta doença.

 

Principais características do TOC:

Obsessões

São pensamentos ou impulsos sempre intrusivos e de conteúdo ruim, que retornam repetidamente à mente da pessoa com TOC, independentemente de sua vontade. Tais pensamentos são considerados impostos e desagradáveis pela pessoa que os apresenta e é motivo de grande ansiedade e sofrimento.

Compulsões

São comportamentos repetitivos (rituais, popularmente conhecidos como “manias”), que tendem a aliviar a ansiedade gerada pelos pensamentos desagradáveis. Os comportamentos compulsivos (compulsões) mais comuns são: de limpeza (lavar as mãos, p. ex.), verificações repetitivas, contagem e arrumações intermináveis. A realização desses rituais traz certo alívio da ansiedade do portador de TOC, mas isso é apenas temporário. Momentos depois a pessoa é tomada por outros pensamentos ruins (p. ex.: que um ente querido irá morrer) e passa a realizar novos rituais.

Reconhecimento

As pessoas com TOC, geralmente, têm considerável conhecimento do seu problema. Entretanto, tal conhecimento não é suficiente para libertá-las de sua doença.

Controle

Muitos são capazes de controlar seus sintomas obsessivo-compulsivos quando estão no trabalho ou na escola. Porém, com o passar do tempo, a resistência pode enfraquecer e, quando isso acontece, o TOC pode se tornar tão grave que longos rituais passam a dominar a vida da pessoa, impossibilitando-a de continuar suas atividades fora de casa.

Vergonha e Segredo

As pessoas com TOC geralmente tentam esconder seu problema, em vez de procurar ajuda. Frequentemente conseguem disfarçar muito bem seus sintomas obsessivo-compulsivos dos amigos e colegas de trabalho. Uma infeliz consequência disso é que as pessoas com TOC só recebem ajuda profissional muitos anos após o início de sua doença. Nessa ocasião, os hábitos obsessivo-compulsivos podem estar profundamente arraigados e muito difíceis de mudar.

 

Quem desenvolve o TOC?

O TOC aflige pessoas de ambos os sexos, níveis socioculturais e grupos étnicos. Os sintomas se iniciam durante a adolescência ou no início da idade adulta, embora, muitas vezes, podemos perceber traços característicos ainda na infância.

 

As causas do TOC

As pesquisas sugerem que as causas do TOC se concentrem na interação entre fatores neurobiológicos e influências ambientais. Acredita-se que pessoas que desenvolvem TOC tenham uma predisposição biológica a reagir de forma acentuada ao estresse. Tal reação se manifesta na forma de pensamentos impostos e desagradáveis, que geram mais ansiedade e estresse, criando um ciclo vicioso do qual a pessoa não consegue sair sem ajuda.

 

O tratamento do TOC

Quanto mais precoce for o início do tratamento, mais chances a pessoa tem de controlar os pensamentos impostos e desagradáveis, bem como os rituais gerados pela doença.

O tratamento é feito a base de medicações adequadas, que oferecem grande alívio ao paciente acometido por esta doença. A psicoterapia também é de grande importância, pois ajudará o paciente a lidar melhor com as situações de estresse que tendem a disparar o mecanismo vicioso dos pensamentos e rituais.

 

Fonte:
Capa Mentes e manias NOVA.indd



Foto: Sandra Lopes

Dra Ana Beatriz Barbosa Silva

Médica graduada pela UERJ com pós-graduação em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Honoris Causa pela UniFMU (SP) e Presidente da AEDDA – Associação dos Estudos do Distúrbio do Déficit de Atenção (SP). Diretora da clínica ANA BEATRIZ BARBOSA SILVA - Comportamento Humano e Psiquiatria (RJ). Escritora, realiza palestras, conferências, consultorias e entrevistas nos diversos meios de comunicação, sobre variados temas do comportamento humano.

E-mail:
contato@draanabeatriz.com.br
abcomport@gmail.com


Livros - Dra. Ana Beatriz

topo