Untitled Document
CONSULTÓRIOS

Avenida das Américas, 3500, bloco 6
Condomínio Le Monde, sala 401,
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22640-102
(21) 3435-8592 / 3435-8597
Cel.: (21) 99566-5547

Avenida das Américas, 3500, bloco 4
Condomínio Le Monde, sala 107,
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22640-102
(21) 3042-9525 / 3042-9526
Cel.: (21) 99566-5558
contato@draanabeatriz.com.br
abcomport@gmail.com

Transtornos

Autoria: Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva.

* Dra Ana Beatriz Barbosa Silva (Médica Psiquiatra, CRM/RJ 5253226/7)

Quem sou eu? Quem é você? Quem somos nós? Estas perguntas podem ser respondidas de maneiras diversas. Se quisermos nos focar no ato de consumir, poderíamos responder respectivamente: alguém que consome, outro alguém que também consome e, finalmente, nós somos os indivíduos que consomem em uma sociedade essencialmente consumista. Se nos fosse possível fazer tudo a que nos propomos, os dias precisariam ter, no mínimo, trinta e seis horas. Como “esticar” o tempo está além de nossa condição, só nos resta fazer tudo, ou quase tudo, correndo sem usufruir nada direito. Acabamos assim consumindo nosso lazer, nosso repouso, nossa saúde, nossos prazeres reais e também nossos afetos. Para entendermos o transtorno do comprar compulsivo ou compulsão por compras, é fundamental que tenhamos em mente uma visão reflexiva e crítica sobre nossas verdadeiras necessidades de consumo e os fatores que as influenciam.

Na sociedade capitalista, vários são os motivos que movem uma pessoa a comprar: necessidade real, carência afetiva, manutenção do status, adquirir poder ou projeção imediata, modismo, apelo do marketing, influência de determinado grupo de convívio, ilusão de segurança etc. Sabendo disso, o mercado sempre oferece algo novo para ser consumido com a promessa de ser mais bonito, mais prático, mais eficaz, mais tudo, enfim. Isso com o objetivo claro de desencadear em todos nós a compra por impulso, aquele algo a mais que compramos, em geral, atraídos pelo apelo publicitário instantâneo.

Consumir é a maneira mais rápida e eficaz de ter, e, numa sociedade com abundância produtiva, esses dois verbos (ser e ter) viram sinônimos absolutos. Mas consumir guarda em si um efeito colateral inevitável: se, em um primeiro momento, o ato de consumir gera um estado de alegria ou de euforia momentânea, libertando parte de nossa ansiedade, com o tempo nós nos “viciamos” nessa sensação abstrata de prazer e passamos a comprar mais e mais, na tentativa ilusória de criar um estado permanente de satisfação. E, assim, quanto mais compramos, mais rapidamente perdemos o caráter ansiolítico e prazeroso do ato de consumir.

Forma-se, então, o ciclo vicioso que aprisiona milhares de pessoas no mundo inteiro e que, de maneira oposta, faz girar a economia com força e, cada vez mais, gerar bens de consumo e o tão almejado lucro. Nosso sistema econômico prioriza até as últimas consequências a produção excessiva e o consumo irresponsável que transforma cada um de nós em esbanjadores inconsequentes, a ponto de considerarmos o desperdício algo normal. Nesse cenário de excessos, acabamos confundindo o ser com o ter: nossa identidade é avaliada dentro do mercado pela quantidade e pelo valor dos produtos que consumimos. E quando isso ocorre, deixamos de ser agentes ativos do consumo para nos transformar em “mercadorias” a serem consumidas por outras pessoas. Na compulsão por compras a situação é ainda mais complicada: o prazer está em comprar e não na posse dos produtos. A pessoa compra em quantidades exageradas, gastando em geral muito mais dinheiro do que pode, contraindo dívidas, passando cheques sem fundos e pré-datados, gerando dessa forma prejuízos materiais e afetivos para si e para os familiares mais próximos.

Neste caso, a compra é antecedida de um desejo incontrolável e, no ato da compra em si, a pessoa vivencia um grande sentimento de alívio tensional, de prazer propriamente dito, ou, ainda, uma incrível sensação de poder e felicidade. A essa “onda boa” seguem-se em geral a culpa e o remorso por mais um fracasso frente à compulsão de comprar. Habitualmente o compulsivo por compras ou shopaholic tenta manter seu descontrole em segredo por vergonha dos seus descontroles, o que dá ao transtorno um “aspecto secreto” e silencioso.

A compulsão por compras é mais frequente no sexo feminino, numa proporção de três mulheres para cada homem. Porém, estudos recentes apontaram que cerca de 6% da população norte-americana sofre de compulsão por compras, sendo que os homens são tão compulsivos quanto às mulheres (1:1). Produtos como maquiagem, roupas, joias, bolsas, sapatos, cosméticos e perfumes ainda são os preferidos pelas mulheres, que, de modo geral, compram diretamente nas lojas. Já os homens têm como foco principal os celulares, eletroeletrônicos em geral, relógios, óculos, motos e carros. Porém, grande parte destas e de outras compras é realizada pela internet, não somente pelas facilidades, mas também porque é uma forma de os shopaholics se preservarem.

Não podemos negar a forte influência que nossa cultura consumista exerce sobre esse transtorno, no entanto, também, é inegável o componente afetivo representado pelo vazio interno que os compradores compulsivos vivenciam nas profundezas de seu ser. Comprar coisas materiais para preencher esse vazio é tão inútil quanto “secar gelo”. É preciso despertar nossa essência, nossos verdadeiros talentos e nossas reais potencialidades, deixando o ser real tomar posse desse território vazio, onde o ter jamais consegue morada.

Dicas para lidar com a compulsão por compras:

• Saia de casa com apenas o dinheiro mínimo necessário;
• Não saia com talão de cheque. Carregue na bolsa apenas uma ou duas folhas do talão;
• Não leve o cartão de crédito ou de débito;
• Se possível, nem tenha cartão de crédito;
• Faça mentalmente o caminho que irá percorrer até o local que você deseja. Isto é essencial para que não se desvie ou passe por lojas conhecidas e por vitrines tentadoras;
• Se estiver se sentindo muito entusiasmado, contente ou mesmo frustrado, evite olhar anúncios ou passar por lojas;
• Se tiver algum excedente em dinheiro, invista em aplicações que penalizem com alguma perda caso retire o dinheiro antes do tempo contratado.

Fonte:
Arte-Mundo_Singular_OpenType.indd



Foto: Sandra Lopes

Dra Ana Beatriz Barbosa Silva

Médica graduada pela UERJ com pós-graduação em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Honoris Causa pela UniFMU (SP) e Presidente da AEDDA – Associação dos Estudos do Distúrbio do Déficit de Atenção (SP). Diretora da clínica ANA BEATRIZ BARBOSA SILVA - Comportamento Humano e Psiquiatria (RJ). Escritora, realiza palestras, conferências, consultorias e entrevistas nos diversos meios de comunicação, sobre variados temas do comportamento humano.

E-mail:
contato@draanabeatriz.com.br
abcomport@gmail.com


Livros - Dra. Ana Beatriz

topo